quarta-feira, maio 07, 2008

sombras da noite

photo: habito em mim por engano_mariah

são nos sons da noite
que mais sinto o silêncio do teu olhar…


de me ver na tua ausência
arde em mim a gélida pálida solidão
de me ver presente e ter
na tua ausência a companhia
do encruzilhar do meu pensar
com a imensidão do meu sentir!

e são nas margens deste livro
que pauto os acordes da minha dor
que não apazigua por te saber
afastada de mim, em silêncio!
é magra, a esperança de te encontrar
e no ruído do dia tento não te lembrar,
mas dói…

acompanho o choro do violino
por cantar a solidão
que dança comigo neste embrenhar
da chama ardente da tua ausência
que teima em não acalmar!

as palavras parecem-me cansadas
como um dia as últimas lágrimas
que se esculpiram no meu olhar!
e ainda choro, no tremule anoitecer
do meu acordar.

Bruno Ribeiro
Lx.22.Out.007

6 comentários:

Brain disse...

"as palavras parecem-me cansadas
como um dia as últimas lágrimas
que se esculpiram no meu olhar!
e ainda choro, no tremule anoitecer
do meu acordar."


Adorei esta parte!

Aquele Abraço.

NAELA disse...

E na ausência deste sentir, procuro por ti...as palavras parecem-me cansadas
como um dia as últimas lágrimas
que se esculpiram no meu olhar!
Bruno simplesmente maravilhoso, a dignidade deste sentir transformam a solidão num veu de esperança!
Deixo-te um beijo ardente!

teetee disse...

Querido Baraujo...

Que dor! que sentimento profundo que se atreve a penetrar mesmo aqueles que só a lêem...

Esse não é um bom lugar para estar! A vida já implica dor e frustração suficientes sem que tenhamos de aumentá-las deliberadamente...

Baci!

teetee

Luís Galego disse...

acompanho o choro do violino
por cantar a solidão

as palvars que tu dizes, nós sentimos e não as conseguimos reproduzir, assim, tão bem!

Som do Silêncio disse...

Olá Bruno!

É, está simpático o teu texto.
Gostei!

Resto de bom dia!

Azul disse...

Boa noite Bruno!

Posso?!
Ficar aqui, em silêncio, e não "dizer" nada?!

Beijo Terno
Azul