quarta-feira, maio 21, 2008

relógio de cuco

photo: If I could rule the time_bloo

tic-tac
compasso da minha espera
melodia de um relógio de cuco
que teima em dançar
enquanto não chegas

tic-tac
o badalar na cabeça
da imagem do teu ser
que se aproxima de mim
mas que ainda não vejo

tic-tac
cai longe uma estrela
enquanto aguardo pelo teu beijo
aquele prometido…
e penso nele enquanto espero

tic-tac
e mais um salto do cuco
vindo à janela sorrindo
gozando comigo, por me ver
e quando voltar... ali estarei

tic-tac
espero…
porque não tenho para onde ir
porque não tenho com quem ficar
e assim… só me resta esperar

photo: night_unknown

tic-tac
cai mais um pedaço do relógio
num chão roído pelo tempo
enquanto espero…
esperando não sei o quê…

tic-tac
e não surges…
e não te vejo…
procuro-te algures…
e o teu ser eu desejo…

tic-tac
espera que teima em demorar
enquanto sorris sem eu ver
enquanto te moves sem eu saber
e eu aqui… esperando…

tic-tac
pouso a caneta
fecho o caderno
tiro os olhos da folha branca
e vou viver…

tic-tac
quando eu menos esperar tu encontras-me
inspiração do meu ser
que varres a minha alma
e que limpas as lágrimas do meu coração

Bruno Ribeiro
no tic-tac do tempo

13 comentários:

Twlwyth disse...

Adorei o compasso deste poema. :)

Espero que em vez de um cuco, o relógio 'liberte' essa presença feminina que esperas.


Beijo doce Bruno

Miosotis disse...

... o tempo nos 'aprisiona' em cada momento, Bruno!

Gostei muito destes 2 v.v.
'... tu [...]
que varres a minha alma
e que limpas as lágrimas do meu coração..'

Se tens mesmo esse 'tu'... não deixes que o tempo o roube!

Sensibilizada pelo olhar em 'fragmentos'!

Bom feriado! Tic-tac...

MirMorena disse...

"tic-tac
pouso a caneta
fecho o caderno
tiro os olhos da folha branca
e vou viver…"

tic-tac...tic-tac...tic-tac...
vai...

Bjuss de carinho

Som do Silêncio disse...

Olá Bruno!

Já li e voltei a ler este teu texto algumas vezes, e muito sinceramente não sei bem o que te dizer...
Acho que só posso mesmo dizer fiquei tipo sem palavras, e tu sabes que quando fico assim...não sai nada, não sabes?

tic-tac...tic-tac....

Sabes uma coisa? :)

Beijo terno ao som do badalar da hora que quiseres!

teetee disse...

Meu querido Bruno...

.. espera... e "de nenhum fruto queiras só metade" mas não te esqueças de viver!

Um abraço meu

teetee

Pandora disse...

Olá,

Obrigada pelo comentário na caixinha.
Desejo que as badaladas do teu relógio de cuco sejam rápidas, para que o tempo depressa passe, para que tu, brevemente sejas feliz.

Beijos

Por entre o luar disse...

E dói quando temos que esperar.. dói tanto, que vai-nos consumindo a alma e tudo o resto que nos resta...:S

beijinho*

Carol disse...

Vive, porque se tiveres que a encontrar, esse encontro há-de acontecer!

Jose disse...

Entrei por um acaso, naveguei pela belaza das tuas palavras, sim nota-se muito a influência de um poeta que já se encontra em algures.

Um abraço


José

Shakti disse...

Bonito poema , onde existe uma sincronia com o que se descreve ao ser feito um compasso tal como o relógio faz !!

Bjs tic...tac...tic...tac...

LNeves disse...

O tempo é amigo... :)

***MUAH***

EDUARDO disse...

que horas serão dentro de ti?
gostei amigo!!
abraços mil


paradoxos

f@ disse...

tic tac do coração... acertar a hora pela emoção...
bom fim semana beijinhos tic tac das nuvens