domingo, fevereiro 15, 2009

pousado na pedra polida pelo mar bravio

photo: o cântico do shamã_heliz

uma pedra repousada no tempo
no meio de tantas outras
semelhantes, frias…
polidas pelo mar bravio,
tatuadas pela espuma branca…
nessa pedra guardada
na memória da minha existência…
sento-me,
olhando para a tela que me absorve
esse mar imenso… irrequieto…
no mesmo lugar onde já estivemos
a amarmo-nos com o olhar!
a espuma do mar,
relembra-me os segredos partilhados
jamais revelados. doce confidente…
este mar!
que me espreita, agora sozinho,
ali pousado, como um pássaro numa galho.
absorvo a brisa dos últimos raios de sol
que me aquecem num último momento!
e permaneço…
engolido no tempo…
que me desfaz… entre pensamentos,
que vagabundos, recorrem a mim
para se soltarem… inquietos…
guardo-me, naquele recanto
da encosta despida,
sobre a pedra cinzenta
polida pelo mar bravio…
perco a consciência que existo
navegando no mar,
através dos sentimentos
embarcado no olhar
que se estende no azul infinito
e termina no algures
das lembranças pousadas
na gaveta escavada
do meu sentir!
esse marinheiro de ilusões…

deixo-me estar,
com a espuma do mar
o meu rosto beijar,
e segredar
o teu relembrar…


não te esqueço,
mas para te lembrar
preciso de abrir a gaveta
escavada em mim
e a chave está pousada
sobre a pedra polida pelo mar bravio…


Bruno Ribeiro
Lx.21.jan.009

8 comentários:

UMA PAGINA PARA DOIS disse...

Ah! Tempo!
Nunca quis voltar em ti.
Apenas espero que me devolvas
os sentimentos que vivi.
Não deixes que meu sorriso
se perca pelo cansaço
e que minha voz
se cale por um fracasso.
Não deixes que meus caminhos
se desviem da meta
nem que os percalços
sejam maiores que minha força
para que eu siga esta reta.

Passei neste lindo espaço para te desejar uma linda semana
Abraços

One of the boogies disse...

Obrigado pah!
Mas quem és?
é raro encontrar gente perdida por ali ;)
Abraço e mais uma vez obrigado

Mitghefüll

Oui C'est Moi disse...

Somos como as pedras, vamos sendo polidos pelo tempo. Perdendo as arestas e transformados em seixos redondos luzidos e coloridos, daqueles que encontramos na praia.

ivone disse...

há gavetas que por vezes ficam fechadas por muito tempo. outras há que se abrem quando menos se espera. a chave está em ti. há que tentar conseguir encontrá_la. o mais breve possível. porque "é urgente o amor. é urgente um barco no mar". marinheiro de ilusões...


boa sorte


beijo t

ลndreia disse...

Eu tenho também um mar de ilusões... *

as velas ardem ate ao fim disse...

não te esqueço,
‘mas para te lembrar
‘preciso de abrir a gaveta
‘escavada em mim


lindissimo.

A musica faz m echorar.

um bjo

Pearl disse...

Sugiro que não lhe percas a chave nunca porque é tão bom recordar...


beijinho

Som do Silêncio disse...

Nem sei o que te dizer...

Bjs Bruno