segunda-feira, novembro 24, 2008

olhar versado

photo: põe o corpo em cada letra..._heliz


porque me inquietam
estas brisas do passado
que tento não relembrar
tão presentes, tão sentidas…


talvez no agora, esteja bem,
ou não.
nesta fria luz da solidão
que me abraça e sossega
mas,
porque me inquieta?
se sei que esta é a solução
pois, talvez no agora, esteja bem!
então porque me segreda a alma
estes versos tingidos no meu olhar
que brotam em forma de lágrimas
já vazias de sal.
versos que me avassalam neste sentimento
de opostos vazios,
vazios olhares
olhares sentidos
sentidos opostos
de opostos vazios…
e que me inquietam…

Bruno Ribeiro
PMS, 19.Agosto’008

15 comentários:

Moon_T disse...

o maior problema meu caro, nao é superar a dor. presumir isso é um erro.
a dificuldade está em aprender a viver com a mesma.

A dor nunca desaparece...mas podemos viver com ela.


Obrigado mais uma vez...por tudo

Cöllyßry disse...

O passado qundo dorido, dificil sair da mente, mas de vale, melhor seria esquecer e abrir o coração de novo ao amor...Lindo poema

Beijitos doces


ölhår_Îñðîscrëtö...Å ¢µ®¡ö§¡dädë

as velas ardem ate ao fim disse...

Um vazio que vem de dentro...não se preenche...

um bjo

Arménia Baptista disse...

Dói...não é?!...mas é esse doer que nos fortalece....

mar disse...

a tua tertúlia tem qualquer coisa de verdadeiramente inquietante e, ao mesmo tempo, harmonioso. gosto particularmente da verdade mantida em sossego debaixo de cada palavra, a rasgar a tenra idade.
um beijo
deste
mar.

impulsos disse...

Inquietações da alma
Que não suporta o vazio
De um lugar frio...

E não esquece
E não quer esquecer
O que em tempos foi riso
Vida
Alegria...

Por isso chora
E prefere o frio
Do vazio
Que a alimenta
Ao nada
Que a deixasse morrer...
... de fome
Por nada mais sentir!

Beijo

Angel disse...

Como percebo bem o teu sentir...e como é dificil lidar ás vezes lidar com ele...beijinhos cheio de Sonhos..

NAELA disse...

Bruno este olhar jamais pode ser vazio, existe sentimento, melodia, poesia e mais sera acrescimo!
Um beijo ternurento

Carol disse...

Tanto sentimento e tanta beleza...

Desnuda disse...

Belíssima poesia, onde retrata tão bem a nossa dual essência.

"vazios olhares
olhares sentidos
sentidos opostos"



Lindo, amigo.


Grande beijo

Som do Silêncio disse...

O passado por muito muito esforço que se faça, nunca se apaga.
Existe sim algo positivo nele, sabias? Acabamos sempre, mas sempre por aprender algo com ele.
Marcas que ficam, imagens que não nos saiem da cabeça...tudo fica marcado!

Beijo Bruno

Twlwyth disse...

Colam-se ao corpo a inquietação dos dias e o prolongamento das noites infinitas.

A folha branca pede a aproximação. É impiedosa!


Beijo doce Bruno

Pearl disse...

Gosto das inquietações que aqui leio, das perturbações de alma, da jovialidade do teu espirito!

beijos

Attitude Problem disse...

Porque o amor é inquieto?! ;))


Um beijo.

Freyja disse...

Caro Bruno,

Confesso que já tinhas saudades das tuas palavras...

Uma das coisas que nos torna pessoais, diferentes e, quem sabe, divergentes, são essas mesmas lágrimas, vazias de sal, que teimam em cair na fragilidade das pestanas que, pelo canto do olho, ainda se viram para trás discretamente espreitando os passos deixados na areia e que a maré ainda não levou.

Olhar para trás pode ser positivo, mas só se pararmos por breves momentos para reflectir. O que desaconselho é andar para a frente e olhar para trás. Garantidamente resulta em queda, mais ou menos aparatosa...

Certamente chegará a maré, calma ou revolta, mas que apagará os passos deixados pelas tuas lágrimas sem sal e te deixará um extenso areal, liso e puro para que caminhes em frente de novo. Sem no entanto olvidar que para trás, ficaram em tempos, uns passos na areia.

E a inquietação, caro Buno, essa é como o caruncho...

Um beijo e um abraço de saudades,