domingo, abril 15, 2007

brincando na areia



التواطؤ 共謀関係 соучастии mitschuld συνενοχή cumplicidade medhjälp complicity medeplichtigheid kunkulpeco
árabe japonês russo alemão grego português sueco inglês holandês esperanto


‘deambulo,
com os pés descalços
e as calças esfarrapadas…
o meu corpo vagueia sem rumo
e o meu pensar em ti se perde!
construo um palácio em areia,
um cais para te receber
e vou-te buscar no meu barco
construído com uma folha de jornal…
buscar ao fundo dos meus desejos
uma tela que ainda está por pintar
com as palavras doces do teu olhar!

‘e vejo-me no teu olhar com um sorriso
por me olhares sorrindo…

estendo uma flor esboçada
num guardanapo de papel
esculpida com as pontas dos dedos
e perfumada com o meu ser…
devagar, a tua mão pousa na minha
como um pássaro que repousa num galho!
e entre os nossos olhares um arco-íris
com lágrimas evaporadas de alegria
e o calor cúmplice e de amizade
que nos enche de tentações…
e a brisa empurra os nossos rostos
no encontro entre os nossos corpos…
e a maresia faz encostar os nossos lábios
na dança suave de um beijo

Bruno Ribeiro
Lx.22.Março.007

15 comentários:

betty boop disse...

Há momentos que vagueamos sem rumo.
Construímos um mundo com muralhas,
e, do desconhecido surge um novo pensar,
um calor cúmplice que nos faz sentir
o desejo de construir um palácio de areia.
E se a brisa o levar?
E se as ondas o rebentarem?
Será a cumplicidade resistente ao tempo?

Um beijo das cores do arco-íris…

meialua disse...

É sempe um prazer ler-te.
Faz-me viajar...

Beijokas

Madalena disse...

Já estou como a meialua... Fazes sonhar, viajar pelos ceús....
Imaginar...
Gostei mt
Bjokas gandes
Madalena

Broken disse...

Escolhes um cenário propicio a todas essas sensações.

Ler-te é reconfortante. Transmites serenidade nas tuas palavras.

Bjocas

mensageira disse...

A serenidade da imagem que se cria, os sentimentos "quase" inocentes, a pureza dos contornos das palavras, fazem-nos sonhar...

Brain disse...

Cumplicidade, é difícil de obter.
Não se compra nem se adquire.
Ganha-se com o tempo.
Constrói-se com o tempo.
Consegue-se com o tempo.

Muito bem descrita esta passagem.

Abraço

.*.Magia.*. disse...

O beijo...
Duas bocas, quatro lábios...

O beijo, ai o beijo!
Sensações...!

yohanan disse...

Devagar aquela mão pousa na tua...e entre os olhares, sorrisos e lágrimas de alegria. Cúmplices se deixam levar pela tentação do momento...pela brisa, pela maresia, pelas ondas do mar testemunha de um momento único em que os corpos se enlaçam e dançam ao sabor do vento e dos beijos que trocam. Hhhummm que cenário encantador, demais...! Lindo... beijinhos doces e fofos embrulhados em algodão doce.*

Angela disse...

Acabo de fazer mais uma maravilhosa descoberta!

É lindo lindo o teu poema. Aliás, pelo que li, tens o dom de construir metáforas muito delicadas, muito envolventes reveladoras de uma fina sensibilidade.

Envolvi-me nas tuas palavras.

Um grande beijinho.

Twlwyth disse...

Espero que essa tela se preencha com sorrisos cúmplices.
Beijo.

Diva disse...

Quando os olhos dizem tudo,porque haveríamos de falar.Lindo.Beijokas 1000

Lu@r disse...

Bom texto, conseguíste nos envolver num momento teu.

Abraço

Entre linhas... disse...

Tens no perfil a foto do grande poeta sineense O Al Berto,da tera onde resido.

Quando os olhos falam por si surge a ausência das palavras...

Bjs Zita

Solitária disse...

Isto é pura magia!
Fenomenal!
A magia de um beijo... por momentos fecho os olhos e também me consigo imaginar num momento como esse... talvez porque já vivi algo tão parecido...
Deixo-te um beijo...

Branca disse...

O teu deambular sem destino
encontrou o porto de chegada...
O beijo!
E o que existe de melhor que um terno beijo, não é?

Beijinhos e boa Semana :)