terça-feira, outubro 23, 2007

Vagens (d)escritas

photo: nas lagrimas seco a minha dor!_daniel oliveira



No silêncio destas páginas,
Remeto esquiços em formas de palavras
Do meu pensar e sentir,
Vagens da vida,
Que se estendem na palma da mão!

São fragrâncias da solidão
Do recordar o que recordo
Sem pensar no que sinto
Sentindo o que penso…

Breves suspiros entoam
Por entre os sons nocturnos
Pequenos prazeres concedidos
Por entre as recordações que recordo
E que vagueiam no meu pensar!

Estende a mim a tua mão…
E faz-me percorrer o trilho dos teus passos
Deixados na terra molhada
Dos momentos vividos…
E leva-me contigo de mão dada
Através desse trilho pintado
Debaixo do teu olhar, sorrindo
Uma qualquer palavra
Que os teus lábios soltam…
À espera de um beijo meu!

E nos desejos que estas páginas revelam
Remeto-me ao silêncio das palavras
Escritas com tinta negra
Pela saudade sentida
Através das palavras descritas
Da gélida sensação da tua ausência!


Bruno Ribeiro
PMS, 6. Abril.007

6 comentários:

One of the boogies disse...

"... remeto-me ao silêncio das palavras..", chego a pensar que essa é sem dúvida a melhor maneira para ultrapassar algumas das nossas maiores lacunas.
Remetendo para mim mesmo sem querer ser ousado na interpretação, se há algo que me reconforta num momento de perda, de solidão é o meu canto, as negras palavras que escrevo, posso até como que me auto-destruir, mas sei que esse silêncio me vai fazer, mais tarde, muito melhor do que uma convrsa...com alguém que nada irá entender do que digo!


Bom texto,um quase perfeito B.I. do que sinto,faço e penso, nesta altura
Abraç

X.Y.U ( Vidaboogie )

Utzi disse...

Muito bonito este poema.

Beijo

Bichinho disse...

Remeto-me ao silêncio...lindo.

Beijo fantasma.

rainbowsky disse...

"E nos desejos que estas páginas revelam
Remeto-me ao silêncio das palavras
Escritas com tinta negra
Pela saudade sentida
Através das palavras descritas
Da gélida sensação da tua ausência!"
Eu não teria escrito melhor, mas isso descreve bem além do teu o meu estado. Poderia ter sido eu a escreevr essas mesmas palavras, embora só uma coisa é impossível de copiar: o sentido único que cada um dá às palavras que escreve. Os outros apenas as interpretam e as partilham ou não. Um abraço. Sempre aqui para qualquer coisa... já sabes. Fica bem.

Secreta disse...

Ausência que mata o tempo devagar ...
Beijito.

Bichinho disse...

Remeto-me ao silêncio.
Beijo fantasma.