terça-feira, agosto 21, 2007

Solidão – um silêncio sem rosto




‘Vou embalar o corpo entre os lençóis
No vazio da minha cama...
No frio da solidão...
Que me abraça noite após noite
Num silêncio sem rosto
Um teatro sem actores
Uma tela sem cores...

Sentir a pele da almofada
O respirar manso junto ao meu rosto
O sussurro...
Faço uma pequena viagem pelas memórias
Pelas recordações doces e amargas...
E deixo-me embalar pelos sonhos
Adormecendo agarrado à almofada
Por vezes sorrindo lágrimas...

Quando acordo,
A mesma almofada beija-me o rosto
A mesma solidão abraça-me
O mesmo silêncio, o mesmo vazio...
Olho para um espelho
E vejo o retrato de um rosto pincelado a negro
Riscado a carvão
E despenteado embalo para um novo dia!

Bruno Ribeiro
Lx,23.Fev.007

9 comentários:

Som do Silêncio disse...

Olá!

Nem sei como aqui cheguei, mas ainda bem que assim foi!
Gostei do que li!

Beijo Silencioso

Azul disse...

Olá Bruno!

Venho agradecer e retribuir a tua visita e as palavras que me deixaste.

Não conhecia este teu espaço. Li alguns dos teus textos e... vou voltar se não te importares... para continuar a ler.

Há dias... em que me sinto assim... tal como descreveste... Mas depois... desperto... e vejo, porque assim o desejo, o dia cheio de cor mesmo quando ele é mais cinzento.

Beijo
Azul

Isabel disse...

Olá Bruno,

Gosto do que escreves e da forma como o fazes.
Escreves de forma dorida, usas a dor para escrever.
Tambem sou assim, uso-me e uso as minhas dores para delas fazer palavras.
Tenho tentado aos poucos usar também a alegria, não é fácil, estou pouco habituada a ela, acho!
Continua a escrever assim.
Eu continuarei a visitar-te.
falas de coisas que me são familiares, que fazem parte de mim.

Um abraço

Isabel

rainbowsky disse...

Cá estás tu de volta e ainda bem! E logo com uma imagem inspiradora. Embora seja um poema que escreveste à algum tempo... o que espero é que essa solidão na almofada se tenha dissipado, pelo menos da sua forma mais negra! E já sabes... se quiseres falar com alguém sobre o que for, não é difícil saberes o que fazer! Um abraço...

betty boop disse...

"Solidão – um silêncio sem rosto"...por vezes é importante e benéfico estarmos sozinhos, sentir a solidão para abrir o próprio caminho através da escuridão, sem quaisquer companheiros ou guia. Um tempo em que pensamos mais em nós e procuramos o silêncio sem rosto para fortalecer e aumentar as nossas defesas.
A maior solidão é a do homem encerrado em si mesmo. Não te encerres. Desfruta da liberdade que a solidão nos traz.

Um beijo especial.

Obscuridade Translúcida disse...

Solidão é o mais solitário dos sentimentos...

Twlwyth disse...

O frio da solidão congela o tempo. Espero que encontres um rosto pousado na tua almofada que reconheças como a tua estrada.

Secreta disse...

Voltei .
Tantas vezes , tb eu me sinto a caminhar sob um rasto "negro" de solidão ...
Beijito.

Brain disse...

Bruno,

A solidão é assim mesmo.
No entanto...
Há sempre alternativas.

Digo eu!

Abraço.